Adote um cachorro filhote ou adulto da Acãochego

Ir para página principal

Tributo


Esse espaço é dedicado aos cãezinhos que viveram na Acãochego, não foram adotados e acabaram partindo. Que Deus os abençoe e que estejam felizes correndo e pulando com seus amigos que já se foram. Todos estarão em nossos pensamentos e corações para sempre. À eles dedicamos esse tributo.

A Princesa e o Príncipe são considerados símbolo da Acãochego por terem sido os primeiros cães recolhidos. Eram muito unidos e viveram muito tempo juntos. Infelizmente a Princesa que já estava idosa e com problemas cardíacos teve um infarto e faleceu.

Nosso querido Príncipe era muito bonito, grandão, extremamente amoroso e carinhoso, uma criança carinhosa. Estava bem idoso e tinha uma insuficiência renal grave. Apesar de todo o tratamento que recebeu, acabou não resistindo. Principe você leva parte do nosso coração, do nosso amor, sempre iremos nos lembrar de você, assim como nos lembramos da Princesa. Que Jesus e São Francisco o receba em seu novo plano, onde vai poder correr livremente, alegre e feliz.

Vizinho estava com inúmeros bicos de papagaios enormes em toda sua coluna e um tumor. Sentia muita dor, muito sofrimento. Vizinho era extremamente amoroso, sempre nos olhou com amor, com carinho, agradecendo todo cuidado que recebia. Era muito alegre e adorava correr com o Brad e outros cães da ONG. Era um dos guardiões da ONG. Sentiremos muito sua falta.

Lilica estava velhinha e contraiu a doença do carrapato. Acabou não resistindo. Era muito dócil e amorosa. Sentiremos sua falta.

Estopa estava já velhinho e alguns tumores começaram a aparecer. Infelizmente não resistiu. Sentiremos saudades do seu jeito doce e da sua carinha linda.

Totó estava velhinho e descansou. Sentiremos saudades de seu jeito carente e amoroso.

Nenê sempre foi muito alegre, agitada e adorava receber carinho. Era dócil, amável, carente e era impossível passar pelo canil sem agradá-la. Foi encontrada pela manhã sem vida e não se sabe o motivo. Sabemos apenas que sentiremos muito sua falta.

Zequinha já estava velhinho e desenvolveu um tipo de tumor na boca que não tinha como tratar. Ele era muito amoroso e carente. Sentiremos sua falta.

Shaut estava com tumores que se espalharam rapidamente pelo corpo e pegou doença do carrapato. Infelizmente Shaut era um cãozinho muito traumatizado devido a coisas ruins que acontecerem antes dele ser recolhido e por isso só os mais próximos conseguiam agradá-lo. Sentiremos falta de seu olhar doce.

Nosso querido Sarney foi encontrado já sem vida pela manhã. Não sabemos o que aconteceu, pois no dia anterior aparentava estar bem. Sentiremos falta de seu jeito amoroso.

Max chegou a fazer dois tratamentos de câncer, mas a doença era muito agressiva e ele acabou não resistindo. Sentiremos falta de seu jeito amoroso.

Nossa querida Pipoca estava velhinha e teve falência múltipla dos órgãos. Sentiremos falta de seu jeitinho amoroso e carente.

Filó estava velhinha e com alguns tumores. Acabou falecendo. Sentiremos saudades de seu jeitinho amoroso.

Ardida faleceu de velhice, estava com 16 aninhos já. Sentiremos sua falta.

Chaves faleceu devido sua idade já avançada. Ele era muito bonzinho e querido por todos. Sentiremos sua falta.

Nenêm faleceu devido a sua idade avançada. Ele era muito amoroso e quietinho. Sentiremos sua falta.

Pedrinho já estava mais velhinho e acabou falecendo sem sabermos exatamente o motivo. Ele era amoroso e carente. Sentiremos sua falta.

Infelizmente nosso querido Rapha (filho IV da Neguinha) faleceu dia 02/12/19. Ele ficou internado alguns dias porque estava com insuficiência renal e hiperadreno. Acabou não resistindo. Rapha era muito agitado e alegre como seus irmãos. Sentiremos sua falta.

Infelizmente nosso querido Simbad faleceu vítima de uma picada de cobra.Em torno da chácara existe uma mata preservada e de vez em quando as cobras aparecem. Dessa vez foi muito rápido e não deu tempo de socorrer.Sentiremos falta do Simbad, ele era muito receoso e amoroso.

Maga tinha 11 anos e estava bem. Em um dia ficou mais quieta, não quis comer e no dia seguinte partiu. Não deu tempo de descobrir o que aconteceu. Maga era muito fofa, carinhosa e carente. Sentiremos sua falta.

Rebeca tinha pressão alta e estava em tratamento há mais de ano. Infelizmente nos deixou. Sentiremos falta de seu jeitinho carente e meigo.

Kauê teve múltipla falência de órgãos. Kauê era um cãozinho alegre, amoroso e carente. Sentiremos sua falta.

Duque teve um infarto e acabou falecendo. Duque era um cãozinho amoroso e carente. Sentiremos sua falta.

Pitty estava com doença do carrapato, insuficiência renal e cardíaca. Pitty era meio bravinha com outros cães, mas extremamente amorosa com pessoas. Subia no colo pra pedir carinho, tinha um olhar alegre e seu porte chamava bastante a atenção. Sentiremos muita falta do seu jeito carinhoso e carente.


Página Anterior Página de 10 Próxima Página

Tributo a um Cão

“O mais altruísta dos amigos que um homem pode ter neste mundo egoísta, aquele que nunca o abandona e nunca mostra ingratidão ou deslealdade é o cão.

Senhores jurados, o cão permanece com seu dono na prosperidade e na pobreza, na saúde e na doença. Ele dormirá no chão frio, onde os ventos invernais sopram e a neve se lança impetuosamente.

Quando só ele estiver ao lado de seu dono, ele beijará a mão que não tem alimento a oferecer, ele lamberá as feridas e as dores que aparecem nos encontros com a violência do mundo.

Ele guarda o sono de seu próprio dono como se fosse um príncipe. Quando todos os amigos o abandonarem, o cão permanecerá. Quando a riqueza desaparece e a reputação se despedaça, ele é constante em seu amor como o Sol em sua jornada através do firmamento.

Se a fortuna arrasta o dono para o exílio, o desamparo e o desabrigo, o cão fiel pede o privilégio maior de acompanhá-lo, para protegê-lo contra o perigo, para lutar contra os inimigos.

E quando a última cena se apresenta, a morte o leva em seus braços e seu corpo é deixado na laje fria, não importa que todos os amigos sigam seu caminho, lá ao lado de sua sepultura se encontrará seu nobre cão, a cabeça entre as patas, os olhos tristes mas em atenta observação, fé e confiança mesmo à morte.”

Este tributo foi apresentado ao júri pelo ex-senador americano George Graham Vest (1830-1904), então advogado, que representou o proprietário de um cão da raça FoxHound chamado Old Drum (Velho Tambor) e que foi morto a tiros, propositadamente, pelo vizinho. O fato ocorreu em 23 de setembro de 1870, na cidade de Warrensburg, Missouri, nos Estados Unidos. O Senador ganhou o caso e seu discurso arrancou lágrimas dos jurados. Hoje existe uma estátua do cão na cidade e o discurso está inscrito na entrada do tribunal de justiça.

Acaochego.org